terça-feira, 22 de julho de 2008

Dias Dietéticos (Parte 2)

Essa dieta não é exatamente difícil, mas também não é tão fácil de ser seguida. Várias vezes hoje, senti fome e pensei em comer alguma coisa. E o que geralmente vinha à mente eram chocolates, biscoitos e outros doces que deliberadamente me privarei por uma semana. Toda vez que queria doce, comia uma fruta, como maçã ou banana. Pode até enganar, mas não é a mesma coisa.

Olhando por esse ângulo, foi uma boa coisa fazer esssa dieta, pois ficou óbvio que meus hábitos alimentares são, até certa medida, viciados. Aqui em Porto Alegre, exceto o bom e velho Nescau, dificilmente eu tenho chocolate ou doces em casa. Por isso, quando aparece uma barra de Alpino ou uma caixa de Bis por aqui, ela é quase que imediatamente devorada. Em Caxias, onde há maior oferta destes itens, eu faço a festa.

O mesmo que falei sobre os doces eu posso falar dos sucos - meu primeiro impulso quando tenho sede é ir até a geladeira e pegar um suco de caixinha. Costumeiramente, só tomo água quando não há mais nada em casa para aplacar minha sede (isto acontece com certa freqüência no final do semestre, quando sou atacado por todos os lados pelos trabalhos finais da faculdade, e relaxo na manutenção da boa ordem caseira).

O fato de poder fazer estas observações após meros dois dias de regime mostram em que grau estou mal-acostumado em termos alimentares. Não digo que é absolutamente insalubre comer chocolate ou tomar sucos doces, nem que pretendo abandonar seu consumo por completo - até por que gosto muito de suco e chocolate - mas certamente moderação é importante.

Ainda no assunto da dieta, estou um pouco indeciso quanto a se mel pode ser considerado doce. Estou com uma caixa de leite aberta na geladeira, e seu conteúdo irá azedar se não for consumida logo. Se não tivesse cortado o Nescau da minha dieta seria barbada. Não sou grande fã do gosto de leite integral puro, e por isso estava pensando em fazer uma batida no liquidificador, usando leite, mel e talvez alguma fruta (banana, preferencialmente, por ser fácil de descascar). Leite com mel fica muito gostoso. Não sei se posso comer mel, dadas as atuais restrições alimentares que me impus. Strictu sensu, mel é doce, portanto não posso comê-lo. Por outro lado, se analisarmos meu padrão de proibições, veremos que bani essencialmente produtos industrializados, coisa que mel não é.

Numa situação como esta, pergunto a mim mesmo "o que Gandhi faria no meu lugar?" A resposta é muito simples: ele seria honesto consigo mesmo, e avaliaria sua promessa inicial. Dei uma relida no post onde faço meus votos de dieta. Lá diz "nada de doces". Não diz nada sobre doces industrializados ou não. Sendo o mel doce, e usado para fazer doces, está fora da minha dieta atual. E, se mesmo depois de reavaliar o que foi dito anteriormente restarem dúvidas, ele aplicaria a lei do maior rigor: se mel fica numa área cinzenta, é sinal de que é ambíguo, e portanto deve ser abolido da minha dieta. Feita a decisão.

4 comentários:

Luiza Vanset disse...

eh, mel eh DOCE.
aposto que se a fruta escolhida para a batida estiver madura, nem vai sentir falta do acucar/mel, especialmente se for banana.
entao espero q esteja conseguindo comprar frutas maduras.

Andarilho disse...

Se a nutricionista em treinamento disse, não tem como contestar :)

Lady Hell disse...

Mel é bom.
Mel é glicose (que eu me lembre).
Mel é energia.
Mel é natural.
Mel hidrata a garganta e evita infecções.
Sou à favor do mel como refúgio à necessidade por doces.

É tudo que eu consegui extrair do meu intelecto às 9 da manhã de uma quinta-feira.

marceloduarte disse...

"Lembro-me do meu sentimento de culpabilidade quando bebi a minha primeira limonada..."
Carl Rogers